Buscar

Jovem afirma ter sido chamado de "macaco" por gerente da Studio Z na Capital

João Gabriel Guimarães Vieira, 20 anos, relatou que o supervisor ainda chegou a enviar um áudio falando que ele tinha “orelha muito grande, parecia de um macaco”.

- FIQUE ATUALIZADO: PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E FIQUE BEM INFORMADO (NOTÍCIAS, VAGA DE EMPREGO, UTILIDADE PÚBLICA) -CLIQUE AQUI


João Gabriel Guimarães Vieira, 20, registrou boletim de ocorrência na sexta-feira (25) contra o supervisor da loja de sapatos Studio Z da Avenida 13 de Junho, no Centro de Cuiabá, por discriminação e homofobia. Ele contou que pediu demissão por contra do preconceito.

O jovem postou relato nas redes sociais.

Segundo ele, o supervisor fazia brincadeiras de mau gosto diariamente.

“Ele vinha fazendo brincadeiras homofóbicas, e até mesmo raciais, me chamando de macaco”, contou.

Ainda no relato, João Gabriel afirma que o superior chegou a enviar um áudio falando que ele tinha “orelha muito grande, parecia de um macaco”.

Na última sexta-feira, a situação teria fica insustentável. O jovem teria procurado a chefia da loja e pedido ajuda sobre o caso. Como sentiu que nenhuma atitude seria tomada, pediu demissão e registrou um boletim de ocorrência na 3ª Delegacia de Polícia do Coxipó.

A Polícia Civil vai investigar o caso.

Recorrente

Não é a primeira vez que a Studio Z é alvo de polêmicas em Cuiabá. Em junho deste ano, o servidor federal Paulo Henrique Arifa denunciou que foi alvo de racismo em uma loja da Studio Z localizada no Pantanal Shopping.

Na ocasião, Paulo entrou na loja e comprou um par de sapatos. Ele pagou pelo produto com dinheiro em espécie, calçou o sapato e partiu para outra loja para comprar uma calça.

Saindo do provador, uma vendedora da Studio Z, junto com os seguranças, abordou Paulo, acusando que ele tinha pegado o sapato e saído sem pagar. Nervoso com a situação, ele não encontrou a nota fiscal de imediato.

Com a abordadem, ele acabou pisando em falso e torceu o tornozelo. Ele denunciou o caso nas redes sociais.


JOÃO AGUIAR DA REDAÇÃO