Buscar

Gestante de 5 meses é agredida pelo marido com cabeçadas na barriga em Nova Mutum-MT

Foto: Wesley Moreno/Portal MT News

- FIQUE ATUALIZADO: PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E FIQUE BEM INFORMADO (NOTÍCIAS, VAGA DE EMPREGO, UTILIDADE PÚBLICA) -CLIQUE AQUI


Grávida, de 24 anos, é espancada pelo marido, de 26, com cabeçadas e empurrões na noite de ontem (31), no bairro Beija Flor, em Nova Mutum ( a 264 km de Cuiabá). O agressor chegou em casa alterado e começou a bater na esposa. Os vizinhos, assustados com os gritos da vítima durante a briga, acionaram a polícia. Contudo o homem não deixava a mulher falar e a ameaçava.

Consta no boletim de ocorrência, que uma guarnição da Polícia Militar foi acionada pelos vizinhos, denunciando a violência domestica. Quando os militares chegaram viram, o casal que denunciou a situação. Eles apontaram onde estava acontecendo a briga.

O militares foram até a casa, o agressor então saiu e foi questionado sobre o que estava acontecendo. Ele apenas se limitou em dizer que estava tudo bem.

Desconfiados, os policiais pediram para que ele chamasse a esposa. No momento em que ela saiu, perguntaram se estava tudo bem, mas o agressor tomou a frente da conversa e antes mesmo que ela respondesse, se exaltou com os policiais, pois ele já tinha "dito que estava tudo bem".

Mesmo assim, os policiais chamaram a gestante em um canto e insistiram na pergunta e ela contou que o marido chegou em casa e partiu para cima dela, dando cabeçada, e a empurrando contra a parede, vindo a machucá-la na cabeça e na barriga, onde ela carrega o filho do casal há cinco meses.

Durante a conversa com a vítima, o agressor ficou mais exaltado, e ameaçou o soldado que estava atendendo a ocorrência, dizendo que ele ia encontra-lo sem farda na rua pois sabia por onde ele andava.

Foi dada a voz de prisão para o agressor, que partiu para cima dos policiais. Foi necessário o uso de força moderada para conter o homem. Ele foi levado para a Delegacia Municipal.

O caso será investigado pela Polícia Civil.

Bárbara Sá/RD News