Buscar

"Ferrovia não substitui caminhões e não vai tirar empregos", afirma Mauro Carvalho

Secretário chefe da Casa Civil tranquilizou caminhoneiros e afirmou que modal vai proporcionar mais produtividade para a classe

- FIQUE ATUALIZADO: PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E FIQUE BEM INFORMADO (NOTÍCIAS, VAGA DE EMPREGO, UTILIDADE PÚBLICA) -CLIQUE AQUI


O secretário-chefe da Casa Civil de Mato Grosso, Mauro Carvalho, afirmou que a construção da primeira ferrovia estadual não vai impactar negativamente na atividade dos caminhoneiros. Ele afirmou que, pelo contrário, o modal vai estimular o desenvolvimento e a geração de renda.

Carvalho explicou que, tradicionalmente, o trabalho dos caminhoneiros envolve longos quilômetros rodados. Entretanto, no caso do escoamento da produção, a ferrovia vai facilitar a mobilidade, reduzindo os trechos que precisam ser percorridos por caminhões.

"A ferrovia é abastecida pelos caminhões. O que pode diminuir é a quilometragem, mas vai aumentar a produtividade. Então, o caminhão que poderia fazer uma viagem a cada dois dias, pode pegar algum trecho e fazer quatro, cinco viagens num dia só”, avaliou Carvalho, em entrevista à rádio Jovem Pan nesta semana.

O secretário observou que, para fortalecer o trabalho dos caminhoneiros, aliando ao transporte ferroviário, o governo também estuda a manutenção e abertura de ramais nas rodovias estaduais para que seja possível fazer o abastecimento dos terminais ferroviários.

“Então os caminhoneiros continuarão trabalhando da mesma forma como é hoje em Rondonópolis, né? Vai continuar com o seu frete faturando da mesma forma. A ferrovia não vem aqui para atrapalhar a atividade de ninguém, muito pelo contrário. Ela vem para estimular o desenvolvimento e, logicamente, a geração de emprego e renda também”, finalizou.

A ferrovia

O contrato para a construção da ferrovia, que será uma extensão da Ferronorte, foi assinado na última segunda-feira (20) em três atos, nos municípios de Cuiabá, Nova Mutum e Lucas do Rio Verde, por onde os trilhos irão passar.

Ao todo, são 730 quilômetros de trilhos, que receberão investimento de R$ 11,2 bilhões da Rumo Logística S/A. A expectativa é que as obras comecem no início do segundo semestre de 2022, e que o trecho que ligará Rondonópolis e Cuiabá seja concluído e entre em funcionamento em 2025.Já o trecho que vai ligar a Capital a Lucas do Rio Verde deve entrar em operação apenas em 2028.


CAMILLA ZENI DA REDAÇÃO