Buscar

Em três horas de depoimento, mãe confessa que matou o filho de quatro meses e o enterrou no quintal


- FIQUE ATUALIZADO: PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E FIQUE BEM INFORMADO (NOTÍCIAS, VAGA DE EMPREGO, UTILIDADE PÚBLICA) - CLIQUE AQUI


A Polícia Civil do município de Sorriso (distante 420 km de Cuiabá) está em fase de conclusão do inquérito do caso Brian, bebê de quatro meses que foi morto pela própria mãe e teve os membros cortados antes de ser enterrado. Na tarde de sexta-feira, a mãe da criança, identificada como Ramira Nunes, 22 anos, que até então era suspeita do crime, confessou a morte do filho em depoimento que durou pouco mais de 3 horas. O delegado do caso, José Getúlio Daniel, disse que a mulher foi presa em Rondônia, tentando ir para Manaus. No caminho de volta, ela foi trazida no camburão da viatura e no último trecho ela foi colocada no banco de trás do carro. Segundo informações obtidas pelo Site Olhar Direto, ela chorou no caminho e disse que estava arrependida. Na delegacia, ao prestar depoimento, a mulher confirmou que foi a autora do caso e mudou a versão de que enterrou a criança com medo de ser descoberta pela polícia. O delegado ainda não atendeu a imprensa para falar os detalhes do depoimento da mulher, mas as investigações preliminares apontam que ela teria matado a criança possivelmente com golpes na cabeça e depois cortou os membros. A principal hipótese é de que ela arremessou a criança contra um tanque de lavar roupas (havia marcas de sangue no local) e depois ela teria cortado mãos e pés do bebê e jogado no ralo do banheiro. Em seguida ela cavou uma cova rasa, num lugar próximo a casinha do cachorro e depois enterrou o filho lá. O crime só foi descoberto porque o cão da raça pit bull acabou escavando o local e encontrado o corpo. Uma vizinha viu quando o animal andava pela casa carregando o corpo do bebê na boca. Nesse momento a mulher já tinha fugido do local. Ela teria se desfeito da criança para começar um relacionamento amoroso fora de Mato Grosso. O motivo da morte ainda é desconhecido, mas sabe-se que a futura companheira de Ramira não tem nada a ver com o acontecido. Em dia de investigação pela casa, conforme foi mostrado pela TV Cidade Verde, o delegado José Getúlio disse que jamais tinha trabalhado num caso com tamanha crueldade. A autoridade policial chegou a benzer o corpo quando saiu da casa. Por enquanto, mesmo com a confirmação da morte, a assassina ainda segue custodiada em Sorriso, porém ela deve ser encaminhada para Cuiabá, onde deve ficar presa no Presídio Ana Maria do Couto May, no bairro Pascoal Ramos. O inquérito do caso será concluído na próxima terça-feira (25) e ela deverá ser autuada por homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, tentativa de fuga e falsificação ideológica, tendo em vista que ela já estava em busca de documentos falsos para se passar por outra pessoa em outro estado.

Max Aguiar/Olhar Direto