Buscar

Com goalball, mato-grossense leva ouro nas Paralimpíadas de Tóquio

Romário marcou um gol na disputa de goalball; na partida Brasil venceu por 7 x 2 sobre a China

- FIQUE ATUALIZADO: PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E FIQUE BEM INFORMADO (NOTÍCIAS, VAGA DE EMPREGO, UTILIDADE PÚBLICA) -CLIQUE AQUI


O mato-grossense Romário Marques teve uma conquista inédita nesta sexta-feira (3) nos jogos paralimpicos de Tóquio 2020: conquistou o ouro na disputa da seleção masculina de goalball.

Romário foi responsável por um dos gols do Brasil contra a China. O placar ficou em 7x2 para a equipe verde-amarela. Capitão do goalball brasileiro, Romário disputa os Jogos Paralímpicos pela quarta vez.

Romário, junto a seleção, já tinha conquistado uma medalha de prata (Londres-2012) e uma de bronze (Rio-2016) e agora consegue ir ao lugar mais alto do pódio pela primeira vez com uma campanha quase perfeita.

Além da premiação aos que conquistam medalha, serão pagos prêmios a todos que conseguiram se classificar

O governador Mauro Mendes (DEM) comemorou a conquista do mato-grossense em uma publicação neste sábado (4). Ele disse que Romário vai receber um prêmio de R$ 100 mil, via o programa Olimpus MT.

"Essa gestão apoia e investe no Esporte. Além da premiação aos que conquistam medalha, serão pagos prêmios a todos que conseguiram se classificar na competição", disse o governador.

O goalball

O goalball é o único esporte do programa paralímpico desenvolvido exclusivamente para pessoas com deficiência (no caso, visual), sem ser uma adaptação de uma modalidade convencional.

O objetivo é marcar gols arremessando uma bola para o outro lado da quadra, que tem as dimensões da de vôlei (9 m x 18 m). Três atletas de cada time atuam ao mesmo tempo como arremessadores e defensores. O arremesso deve ser rasteiro ou tocar pelo menos uma vez nas áreas obrigatórias antes de balançar as redes.

Para igualar a condição dos atletas, que podem ter diferentes graus de deficiência visual, todos atuam com vendas sobre os olhos. A percepção da bola, que tem guizos, é feita pela audição. Exceto após os gols e nas paradas, não pode haver barulho no ginásio. As linhas na quadra estimulam o tato para facilitar o senso de localização.


Da Redação