Buscar

Bolsonaro joga para Mendes responsabilidade na alta do preço do gás e gasolina

Logo após acusar o Estado pela alta nos preços, o chefe da União se explicou e disse que não culpava os governadores

- FIQUE ATUALIZADO: PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E FIQUE BEM INFORMADO (NOTÍCIAS, VAGA DE EMPREGO, UTILIDADE PÚBLICA) -CLIQUE AQUI


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) alega que altos preços dos produtos, principalmente do gás de cozinha, se deve a impostos estaduais. Em visita a Cuiabá, nesta quinta-feira (19), alegou que o Governo Federal tem impactado pouco no valor das mercadorias.

Bolsonaro cumprirá agenda em Cuiabá, participando do terceiro dia do Seminário Regional de Etnodesenvolvimento e Sustentabilidade Centro-Oeste.

O evento acontece no Hotel Fazenda Mato Grosso e tem como objetivo promover o diálogo entre estados, municípios, Governo Federal e a iniciativa privada. O seminário começou na terça-feira e termina nesta sexta (20).

No hotel, cercado por simpatizantes e sem máscara, o presidente discursou sobre os feitos de sua gestão. Citou criação de empregos e o apoio do auxílio emergência, que, segundo ele, em um ano pagou mais que 12 anos de Bolsa Família, em ataque a gestão petista. "O gás de cozinha está caro ou barato?”, questionou o presidente.

“R$ 130 o bujão, né? Não é verdade, está R$ 45. O governo Federal zerou os impostos. A Gasolina está cara ou barata? Está barata, está R$ 1,95. O imposto federal é de R$0,75, o restante é ICMS, é frete e é margem de lucro”, respondeu ele logo em seguida.

Ele defende que o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICSM) seja nominal e fixo entre os estados. Pontua a redução dos impostos federais, que impactam o no bolso no consumidor.

Logo após acusar o Estado pela alta nos preços, o chefe da União se explicou e disse que não culpava os governadores.

“Não quero culpar ou atacar governador, só estou falando o que nós estamos fazendo. Temos transparência. Buscamos previsibilidade”, justifica.

Cuiabá Foco