Buscar

Após nova morte, investigadores cobram calendário de vacinação e ameaçam parar


Após mais uma morte ocasionada pelo coronavírus, o Sindicato dos Investigadores da Polícia Civil do Estado de Mato Grosso (Sinpol-MT) ameaça paralisar as atividades nesta segunda (5), até que o governador Mauro Mendes (DEM) apresente um calendário de vacinação dos profissionais de segurança.


Na noite ontem (31) o investigador Anízio Batista da Silva, 59, que atua em Cáceres (a 244 km de Cuiabá), morreu por complicações da Covid-19. Também nesta quarta, o Executivo anunciou que os profissionais que atuam na Segurança Pública de Mato Grosso serão os próximos imunizados contra a Covid-19.


Segundo ele, devem chegar cerca de 104 mil doses de CoronaVac, além de 9,2 mil de AstraZeneca e ao menos 6% dos imunizantes serão destinados, por exemplo, a policiais militares, policiais penais, bombeiros e peritos criminais. Não há ainda um detalhamento - leia.


O presidente da categoria Gláucio de Abreu Castañon se mostra indignado com a situação porque, apesar do colapso no sistema de saúde, os policiais não pararam de trabalhar e estão expostos ao coronavírus diariamente.


"Os policiais de Mato Grosso que trabalham na divisa de GO vacinaram lá. Goiás está vacinando policiais desde semana passada. Até agora não temos um calendário de datas de quando vão começar a vacina os policiais. E perdemos mais um", lamenta - assista.



Anízio estava internado na UTI da Santa Casa desde terça (30). Ele veio transferido do Hospital Regional de Cáceres, onde aguardava uma vaga na Unidade de Terapia Intensiva. Quando conseguiu, não resistiu à doença.

Um documento foi enviado para o governador, no qual pede que em 48 horas, Mauro Mendes informe local, data, horário e critérios de vacinação dos policiais.

Fonte: RD NEWS